CineReforma - Em Defesa de Cristo

CineReforma - Em Defesa de Cristo

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

LER A BÍBLIA É A MELHOR FORMA DE OUVIR DEUS FALAR

Por Antonio Fonseca

Imaginemos a seguinte situação hipotética:

Uma pessoa nasce e cresce sem ter conhecido seu pai. Conforme vai crescendo e sentindo a falta do pai, começa a despertar o desejo de conhecê-lo e de saber o motivo de sua ausência. Então, tem início a busca para saber o que de fato aconteceu com seu pai. Mas não obtém respostas.

Ao completar dezoito anos, recebe em sua casa uma correspondência cujo remetente traz o nome de seu pai, a quem sempre desejou conhecer.

Se você fosse essa pessoa e recebesse essa carta, o que você faria? O mais lógico seria abri-la imediatamente e lê-la, a fim de descobrir tudo o que sempre teve curiosidade e vontade de saber sobre seu pai, como, por exemplo, onde ele mora, o que ele faz, por que não esteve com ele durante todos esses anos... Enfim, os motivos reais de tudo o que aconteceu que o levou a se ausentar.

Essa pessoa ficaria totalmente concentrada na leitura e, com certeza, leria tudo com muita atenção, observando cada detalhe do texto, tentando satisfazer o desejo que sempre a acompanhou: o de conhecer seu progenitor.

Agora, analise o seguinte:

Todos nós, principalmente os evangélicos, aprendemos, desde de muito cedo, que a Bíblia é a Palavra de Deus. Aprendemos que Deus é o nosso Pai celestial. Aprendemos que Deus nos ama e quer o melhor para cada um de seus filhos. E tudo o que podemos saber sobre Deus, o nosso Pai, está registrado em sua Palavra, as Sagradas Escrituras.

Aí vem outra questão:

Como evangélicos, cremos em tudo isso. E uma das nossas marcas (ou características) é carregar, falar e compartilhar com outras pessoas o Santo Livro. Mas, infelizmente, o que temos notado em nosso meio atualmente é um grande desinteresse pelo conhecimento bíblico. A maioria dos evangélicos nunca sequer leu a Bíblia inteira, a Carta que o nosso Pai celestial nos deixou.

Para lermos a Bíblia toda durante um ano, teríamos apenas de dedicar quinze minutos diários à leitura diária de três capítulos da Palavra de Deus. Isso significa que, dos 1440 minutos (24 horas vezes 60 minutos) que o nosso Deus nos concede todos os dias, precisamos tão-somente utilizar 1% desse tempo para lermos a Bíblia toda em um ano. Sabemos que quando oramos falamos com Deus e quando lemos a Bíblia Deus fala conosco. Mas muitos preferem negligenciar a Carta de Deus, o nosso Pai, para poderem ouvir Deus falar de outras maneiras não tão seguras e, às vezes, extremamente arriscadas.

Ora, se sabemos e ensinamos que a Bíblia é a Palavra de Deus, e que na Bíblia encontramos a vontade divina para toda a humanidade, o que justificaria tanta gente não conseguir ouvir Deus falar ou procurar novas maneiras para ouvi-lo?

Outro detalhe interessante:

Temos, hoje, vários e fáceis acessos aos Escritos Sagrados, o que não ocorria no passado, seja por meio da imprensa escrita ou pela Internet. Dificilmente encontraremos uma família brasileira que não possua pelo menos um exemplar das Sagradas Escrituras. É possível encontrá-la em todos os segmentos da sociedade.

Precisamos parar, pensar e, com sinceridade, responder às seguintes perguntas: “Será que queremos realmente ouvir Deus falar? Será que queremos realmente conhecer o nosso Eterno Pai?”.

Se a resposta for afirmativa, vamos, então, todos os dias da nossa vida, ouvi-lo pelo menos quinze minutos por dia, lendo, individualmente, a preciosa Carta que Deus, o nosso Pai, nos deixou. Com certeza, não somente aumentaremos a nossa relação amorosa com o nosso Pai celestial, mas também estreitaremos nosso contato, falando-lhe, por meio de nossas orações, e ouvindo-o, por meio da leitura de sua Palavra.

Com certeza, também, aprenderemos, pela Palavra de Deus, onde Ele mora, o que Ele tem preparado para nós, seus filhos, e quando iremos conhecê-lo pessoalmente, alvo e anelo máximos de todo legítimo cristão.

Então, o que estamos esperando? Abramos e leiamos a Carta do Pai!

FONTE: Instituto Cristão de Pesquisas

terça-feira, 24 de novembro de 2009

LEGALISMO: QUANDO O ESTATUTO É REBELDE!

DESOBEDIENTE, IRMÃO-TRIBULOSO, CONTENDEIRO, REBELDE. SÃO ALGUNS DOS RÓTULOS COLADOS EM IRMÃOS QUE SE RECUSAM A OBEDECER ÀS LEIS ABSURDAS IMPOSTAS À IGREJA POR PARTE DA LIDERANÇA. E O DISPARATE NÃO ACABA AÍ, JÁ QUE O RÓTULO VEM ACOMPANHADO PELAS OBREIRAS "REPRESÁLIA" E "DISCRIMINAÇÃO". EM MEIO A TODO ESSE LEGALISMO, QUE NÃO CONTRIBUI SEQUER COM UM CENTÍMETRO PARA O CRESCIMENTO ESPIRITUAL, PERGUNTAMOS: E SE O ESTATUTO DA IGREJA FOR O VILÃO DA HISTÓRIA?
ENTENDA-SE POR ESTATUTO DA IGREJA, O CONJUNTO DE NORMAS E REGRAS QUE REGEM OS RELACIONAMENTOS, DECISÕES E OBJETIVOS DA INSTITUIÇÃO; TEM PODER DE LEI (NA ACEITAÇÃO VOLUNTÁRIA DO ASSOCIADO OU MEMBRO) E É INSTRUMENTO DE CONSULTA PARA FINS DE PUNIÇÃO OU OUTROS TIPOS DE DISCIPLINA. CONTÊM DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS MEMBROS E DA LIDERANÇA, E SE USADO DE FORMA CORRETA GARANTE OS DIREITOS DOS ASSOCIADOS COMO CIDADÃOS JUNTO AO MUNICÍPIO, ESTADO OU NAÇÃO. AINDA, APRESENTA PERANTE A LEI O SENTIDO DA EXISTÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO, PROMOVENDO ESCLARECIMENTO E APROXIMAÇÃO ENTRE O ESTADO E A IGREJA. TAMBÉM DEVE PROMOVER PAZ E RESPEITO ENTRE OS MEMBROS, APONTANDO ACERTOS E FALHAS AFIM DE LAPIDÁ-LOS PARA O AMADURECIMENTO CRISTÃO.
ENTENDENDO A APLICABILIDADE DO ESTATUTO DA IGREJA, PERGUNTAMOS: O ESTATUTO TEM CAUSADO UNIÃO OU DESUNIÃO? TEM TRAZIDO PAZ, OU DISCÓRDIA? TEM AJUDADO PESSOAS A ANDAR COM CRISTO, OU TEM-NAS AFASTADO DELE? CAUSA-NOS UMA SENSAÇÃO MUITO RUIM QUANDO PENSAMOS NA QUANTIDADE EXORBITANTE DE PESSOAS QUE ESTÃO DEVOLTA A VIDA PECAMINOSA, A CRIMINALIDADE E A MARGINALIZAÇÃO POR CULPA DO LEGALISMO E DOS LEGALISTAS. SENSAÇÃO PIOR AINDA, MUITO PARECIDA COM O NOJO, NOS TOMA QUANDO OUVIMOS FRASES DO TIPO “QUEM TEM VERDADEIRO COMPROMISSO COM CRISTO NÃO LIGA PRA ESSAS COISAS. SIMPLESMENTE OBEDECE. SE FULANO DESVIOU-SE, É PORQUÊ NÃO TINHA VERDADEIRO COMPROMISSO COM JESUS”, MOSTRANDO PARA O MUNDO QUE, APESAR DE TERMOS CHEGADO AO TÃO ESPERADO SÉCULO XXI, AINDA PENSAMOS COMO SE ESTIVÉSSEMOS NO XVI. E ENQUANTO ESCREVEMOS, SOMOS ARREBATADOS POR MILHÕES DE PENSAMENTOS SOBRE IRMÃOS QUE ESTÃO NA SARJETA, USANDO DROGAS, PECANDO. QUERIAM VERDADEIRAMENTE SERVIR A DEUS, MAS NÃO SUPORTARAM O JULGO LEGALISTA DO ESTATUTO DE SUA IGREJA.
QUANDO CONSULTAMOS OS EVANGELHOS, VEMOS UMA SITUAÇÃO MUITO DIFERENTE DA VIVIDA HOJE NAS IGREJAS. O MESTRE ORIENTA SEUS DISCÍPULOS ACERCA DO SISTEMA DE SUA LIDERANÇA, APONTANDO OS LÍDERES GENTIOS QUE SE APODERAM DOS LIDERADOS COM TIRANIA, MAS ENTRE OS CRISTÃOS NÃO SERIA ASSIM. A LIDERANÇA CRISTÃ DEVE MOTIVAR OS CORAÇÕES AO EXERCÍCIO DA FÉ E A PREGAÇÃO DO EVANGELHO, LEVANDO OS LIDERADOS A UM PATAMAR CADA VEZ MAIS ALTO NA SANTIDADE, NO CONHECIMENTO DA BÍBLIA, NAS ORAÇÕES, NO AMOR PELOS IRMÃOS. CONTUDO, CONTEMPLAMOS OUTRA REALIDADE NOS NOSSOS DIAS, ONDE O PASTOR PENSA ESTAR FAZENDO A VONTADE DE DEUS SENDO UM DITADOR. E SEUS LACAIOS QUE SEMPRE REFORÇAM SUA DITADURA, VIVEM CARIMBANDO CERTOS MEMBROS COMO REBELDES E DESOBEDIENTES, E QUE, PORTANTO “IRÃO PARA O INFERNO”, DIZEM.
NA REALIDADE, AS IGREJAS EM GERAL ESTÃO ABARROTADAS DE PESSOAS MAGOADAS E DECEPCIONADAS. ENQUANTO ERAM NOVAS CONVERTIDAS, ACREDITAVAM (COMO TODOS NÓS UM DIA ACREDITAMOS) QUE AS PALAVRAS DO PASTOR ERAM COMO AS DE UM GURU, E QUE TUDO QUANTO SAÍA DE SUA BOCA ERA VERDADEIRO, PURO E SANTO. O TEMPO PASSOU, E ELAS DESCOBRIRAM QUE AS COISAS NÃO SÃO BEM ASSIM. DESCOBRIRAM QUE PELO MENOS METADE DAS ORDENANÇAS E REGRAS IMPOSTAS SOBRE A IGREJA SEQUER SÃO BÍBLICAS, OU QUANDO MUITO, ESTÃO BASEADAS EM VERSÍCULOS ERRONEAMENTE INTERPRETADOS. E É AÍ QUE COMEÇA O SOFRIMENTO! QUANDO ESSAS PESSOAS PROCURAM SEUS LÍDERES PARA UM ESCLARECIMENTO (NADA MAIS JUSTO!), A ÚNICA COISA QUE OUVEM É A GÉLIDA FRASE "VOCÊ FOI CHAMADO POR DEUS PARA OBEDECER". SE TOMAM A DECISÃO DE MUDAR DE IGREJA, SÃO BARRADAS PSICOLOGICAMENTE COM CHAVÕES COMO "VOCÊ ESTÁ EM DESOBEDIÊNCIA E NÃO TERÁ UMA VIDA ABENÇOADA SE SAIR. SEU LUGAR É AQUI! FIQUE E OBEDEÇA!". SE POR OUTRO LADO RESOLVEREM FICAR, NÃO PODERÃO NEM INSINUAR QUE O ESTATUTO ESTÁ ERRADO, POIS SE O FIZEREM: "IRMÃO TRIBULOSO, REBELDE, DESOBEDIENTE, CONTENDEIRO", ETC. ENTÃO, A TRISTEZA SE TRANSFORMA EM REVOLTA E INDIGNAÇÃO.
É IMPRESSIONANTE COMO ALGUNS IRMÃOS NEM SE INCOMODAM QUANDO A PALAVRA DE DEUS É AFRONTADA. MAS, SE OUVIREM UMA AFRONTA AO ESTATUTO DA IGREJA, SE CONTORCEM FEITO MINHOCA NO SOL. PARECE MESMO QUE, NA PRÁTICA, ESSAS IGREJAS COLOCAM O ESTATUTO ACIMA DA PALAVRA DE DEUS, A DESPEITO DO QUE AFIRMAM EM TEORIA. A IMPRESSÃO QUE TEMOS É QUE ESTAMOS COMETENDO O MESMO ERRO DO CATOLICISMO ROMANO NA IDADE MÉDIA, ONDE OS DOGMAS E A TRADIÇÃO ESTAVAM (NA PRÁTICA) ACIMA DO EVANGELHO DE CRISTO. E PARA TODOS AQUELES QUE PENSAM NÃO EXISTIR ESSE TIPO DE COISA EM NOSSAS IGREJAS, BASTA DAR UMA ESPIADA NO COMPORTAMENTO TIRANO DE MUITOS PASTORES. PARA ALEGRIA DO SR. ALMOCREVE, ESTAMOS VIVENDO DIAS DE INFALIBILIDADE PASTORAL. LAMENTAVELMENTE, INÚMEROS PASTORES (LEIA-SE FALSOS PASTORES) SÃO DOMINADOS PELA MESMA CASTA DE DEMÔNIOS QUE DOMINOU JIM JONES.
PRECISAMOS SER MAIS HONESTOS COM AS PESSOAS QUE ACEITAM SEGUIR JESUS EM NOSSAS DENOMINAÇÕES. PRECISAMOS ENTREGAR UMA CÓPIA DO ESTATUTO PARA CADA UMA DESSAS PESSOAS, E DEIXÁ-LAS EXTERNAR SE CONCORDAM OU NÃO COM O QUE ESTÁ ESCRITO. E FALANDO NISSO, NÃO PODEMOS DEIXAR DE MENCIONAR QUE NO ESTATUTO DE UMA IGREJA MUITO CONHECIDA NO BRASIL, NOS ITENS DE DEVERES DOS MEMBROS, ENCONTRAMOS LOGO NO PRIMEIRO ITEM QUE O ASSOCIADO DEVE SE SUBMETER ÀS NORMAS DO ESTATUTO. NO ITEM SETE, ESTÁ ESCRITO QUE O ASSOCIADO DEVE OBSERVAR OS PRECEITOS DA BÍBLIA SAGRADA. NO ITEM 1, OBEDIÊNCIA AO ESTATUTO. NO ITEM 7, OBEDIÊNCIA A PALAVRA DE DEUS. ACASO A OBSERVÂNCIA DOS PRECEITOS BÍBLICOS NÃO DEVERIA ESTAR NO ITEM 1? ACASO NÃO TEMOS AQUI UMA INVERSÃO DE VALORES?
SE O ESTATUTO DA IGREJA APRESENTA ORDENANÇAS QUE DISTORCEM O SENTIDO BÍBLICO, OU MESMO QUE NÃO TENHA RESPALDO BÍBLICO, ENTÃO, O REBELDE DA HISTÓRIA É O ESTATUTO, E NÃO O CRENTE!

trecho do livro "Como Destruir Sua Igreja em Dez Dias: denunciando falsos pastores", de Rodrigo Toledo

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Obreiros de carreira ou obreiros temporários?

Por Antonio Fonseca

Conversando com um amigo das Forças Armadas, descobri que, no Exército, existem duas categorias de militares: os de carreira e os temporários.

Os militares de carreira são os vocacionados para tal atividade e pretendem seguir toda a trajetória profissional, atendendo e protegendo a nossa nação e, se necessário, até mesmo entregando a própria vida por amor à pátria. Mas para que o sonho desses homens se torne realidade, precisam, antes, ser aprovados em concursos. Somente depois dessa exigência são estabelecidos no exercício da função militar, até o tempo de irem para a reserva.

Os militares temporários, diferentemente, prestam serviço no Exército apenas durante oito anos. Depois desse tempo, são obrigados a deixar a farda e a voltar à vida civil, a menos que consigam ser aprovados em exames para militares de carreira.

Observando essa condição da vida militar, percebi que, no meio evangélico atual, também temos alternativa similar; ou seja, temos “obreiros de carreira” e “obreiros temporários”.

Os obreiros de carreira, como no caso dos militares, exercem a função ministerial até o momento em que são jubilados; ou, então, como ocorre em muitos casos, quando terminam sua vida terrena no front. Esses estão enquadrados nos textos bíblicos que dizem: “E ele mesmo [Jesus] deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo” (Ef 4.11,12). “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra” (2Tm 2.4).

De fato, essa categoria de obreiros é realmente vocacionada para a carreira religiosa e não se imagina, em hipótese alguma, no exercício de qualquer outra função que não seja a de apascentar almas para Cristo.

Já os obreiros temporários, tomando ainda o exemplo dos militares, ficam no ministério por um tempo predeterminado. Mas existe uma diferença fundamental entre os militares temporários e os obreiros temporários. Enquanto os militares temporários são obrigados, ainda que não queiram, a deixar a farda, os obreiros temporários, normalmente, abandonam o exercício ministerial por conta própria.

Outro detalhe que pude observar é que os obreiros temporários evangélicos geralmente deixam o ministério em época de eleição, visando os cargos políticos, o que nos revela mais uma vantagem em relação aos militares temporários, pois, quando não são eleitos, voltam ao ministério ao seu bel-prazer e ficam no ministério até o próximo pleito. Há aqueles que ainda se julgam capazes de desenvolver dupla função; ou seja, liderar e cuidar das causas espirituais (religiosas) e materiais (políticas) simultaneamente, contrariando o ensino do nosso Mestre, que disse: “Ninguém pode servir a dois senhores” (Mt 6.24).

Com essa comparação, pude assimilar e entender, ainda que com tristeza, o motivo que leva alguns obreiros evangélicos a estarem com seus nomes e fotos em reportagens como a apresentada pela revista Veja (26/7/06), figurando entre os envolvidos com a “máfia das sanguessugas”.

Entendi que se trata de obreiros temporários, pois os obreiros de carreira não trocariam a chamada ministerial por outra atividade, mesmo que as vantagens financeiras fossem tentadoras. Vale a pena salientar que a Igreja Católica Apostólica Romana optou por obreiros de carreira e ainda exige voto de pobreza aos que têm vocação para o exercício do ministério sacerdotal.

Querido leitor, na sua igreja há também os dois tipos de modalidades: obreiros de carreira e obreiros temporários? Se a sua resposta for afirmativa, gostaria de lhe fazer uma nova pergunta: “Na próxima eleição, você ajudará a eleger um obreiro temporário para ocupar um cargo na política brasileira?”.

Não se esqueça, a responsabilidade é sua!

Fonte : Instituto Cristão de Pesquisas

Quem planta colhe!

Ensina a velha e boa sabedoria popular (e bíblica também) que tudo o que plantamos aqui na terra um dia colheremos. É a famosa lei da colheita segundo a semeadura. Verdadeira ou não, vejamos o que nos ensina a história a seguir.

Era uma vez um homem muito velho, quase cego e surdo, que vivia com seu filho mais velho, a nora e um lindo netinho. Com a idade já avançada, e sofrendo da tremedeira costumeira dos muitos anos vividos, quando se sentava à mesa para comer mal conseguia segurar a colher. Derramava a sopa na toalha e quando, afinal, acertava a boca, deixava sempre escorrer um bocado pelos cantos. O filho e a nora achavam que ele era uma porcaria e sentiam nojo do pobre coitado.

Cansados do velho, não deixaram mais que se sentasse à mesa da sala para comer, colocavam-no, na hora das refeições, num canto, atrás do balcão. Sua comida era servida em uma tigela de barro.E o pior: não era suficiente. O velho olhava para a mesa com os olhos compridos e, muitas vezes, cheios de lágrimas. Um dia, suas mãos tremeram tanto que ele deixou a tigela cair no chão e ela se quebrou.

A nora e o filho ralharam com ele, que não disse nada, só suspirou. Depois, a nora comprou uma gamela de madeira bem baratinha, e era ali que ele tinha de comer.

Certo dia, quando estavam todos sentados na cozinha, o neto do velho, que era um menino de quatro anos, brincava com um pedaço de madeira e um estilete.

— O que é que você está fazendo? — perguntou o pai.

O menino respondeu:

— Estou fazendo um cocho para o papai e a mamãe comerem quando eu crescer e vocês forem velhinhos, assim como o vovô.

Fonte: Instituto Cristão de Pesquisas

O custo das convicções

Houve um homem, cujo nome era Sam Houston, general e estadista texano, que ficou conhecido por defender, em sua gestão, causas impopulares, mesmo que para isso tivesse de sofrer retaliações.

Em uma época em que não era de interesse popular defender os índios americanos, ele foi a Washington como membro de uma delegação dos cherokees para se queixar ao governo da corrupção dos agentes indigenistas.

Em outro tempo, opôs-se à escravatura num período em que era politicamente incorreto fazê-lo. Em 18 de março de 1861, foi deposto como governador de Estado porque, novamente, foi contra a separação do Estado e recusou-se a jurar lealdade à Confederação.

Duas semanas mais tarde, no discurso a uma multidão que queria vê-lo morto, Houston declarou:

Sempre tive como regra invariável na minha vida não formar nenhuma opinião ou dar veredicto sobre qualquer grande questão pública antes de ouvir e considerar cuidadosa e imparcialmente todas as evidências [...] e, uma vez tendo assumido minha posição, nenhum temor da condenação popular me poderá induzir a modificá-la.

Nunca permiti que o clamor, a paixão, o preconceito e a egoísta ambição popular me induzissem a mudar uma opinião e um veredicto que minha consciência e razão tenham formado e considerado justos.

A vox populi nem sempre é a voz de Deus, pois quando os demagogos e líderes políticos egoístas conseguem excitar o preconceito do público e silenciar a voz da razão, pode-se ouvir o clamor popular 'Crucifica-O, crucifica-O!' A vox populi torna-se, então, a voz do diabo.

Embora estas tenham sido palavras proferidas por alguém de muita coragem, pela animosidade popular que sofria na época, Houston procurava assegurar-se de que estava sempre do lado da justiça.

Defender o que é correto freqüentemente desperta oposição e perseguição. Nos dias atuais, vemos que se tornou popular, e até fashion, ser cristão, mas pode não continuar sendo assim.

Para todos nós, cristãos, vem a pergunta: Será que as convicções da minha consciência estão certas? Será que estão em harmonia com a Palavra de Deus?.

Se estiverem, apeguemo-nos a elas, seja qual for o preço!

Fonte: Instituto Cristão de Pesquisas