CineReforma - Em Defesa de Cristo

CineReforma - Em Defesa de Cristo

domingo, 6 de junho de 2010

Crônica de uma efeméride televisiva!





por Avelar Jr.


Era uma noite abafada. Estava na casa de meu tio, sozinho, tarde da noite, vendo TV. Estava passando um daqueles programas intermináveis da Igreja Universal do Reino de Deus.

Nesse programa, a que assisti pacientemente, pude ouvir vários testemunhos seguidos do famigerado evangelho da prosperidade, alma e espírito daquela empreja (empresa + igreja).

Já estava rolando de rir de ver a entrevista de um rapaz num evento, distraído e com um copo de bebida na mão, dizendo que havia ficado rico; antes estava endividado e agora tinha carro, mansão, empresa, etc. - bastou procurar a Igreja Universal do Reino de Deus.

Uma das coisas mais interessantes dessas emprejas que pregam o evangelho da prosperidade é que há uma diferença muito óbvia entre o evangelho que elas pregam e o evangelho de Jesus Cristo: enquanto o evangelho bíblico é centrado na pessoa de JESUS e mostra o que ELE já fez na cruz por você para que você receba a GRAÇA e o perdão de Deus de que NECESSITA, o evangelho da prosperidade mostra o que VOCÊ pode fazer pela igreja deles para que JESUS faça o que você QUER.

Num evangelho você encontra o Deus soberano lhe buscando. No outro Você busca um deus subserviente. Num evangelho, você é recebido como filho de Deus (Jo 1.12), no outro você encontra o Gênio-da-Lâmpada-Mágica, que - espero que você já tenha descoberto isso - não existe.

Enfim, o cordão dos testemunhos de gente salva da miséria, pobreza e desvalia para o luxo, riqueza e ostentação continuou, no espetáculo da fé da IURD, até que veio uma mulher cujo testemunho lavou minha alma. O pastor perguntou-lhe como era sua vida antes e depois da IURD, mas ela respondeu como era sua vida antes e depois de Jesus Cristo. O pastor insistia em que ela depusesse sobre o que mudou na sua vida financeira, e, embora ela tenha relatado um pouco dos problemas de saúde, familiares e financeiros resolvidos, ela destacou com afinco que era uma pessoa pecadora que precisava de amor, perdão e salvação e que encontrou tudo isso em Jesus Cristo.

Era hilário ver o pastor insistindo para que ela destacasse no testemunho a prosperidade ou a IURD para fazer propaganda, mas a mulher insitiu em falar de Jesus e da transformação que ele fez em sua vida.

Isso me deixou muito alegre, porque, pelo menos uma vez na vida, vi um programa da Universal gastando dinheiro a contragosto para que o nome de Jesus fosse engrandecido em detrimento da empreja.

Logo depois, um pastor, pregou o evangelho e a necessidade de conversão a Cristo, aproveitando o testemunho da mulher. Qual não foi o meu espanto? Eu fiquei impressionado! O cara pregou o evangelho direitinho: disse que nós somos pecadores (Rm 3.10) e não podemos salvar a nós mesmos por nossas boas obras (Rm 3.23); e que, porque Deus nos amou, ele mandou Jesus para morrer por nossos pecados (Rm 5.8-9), para que, pela fé nele, pudéssemos, gratuitamente, receber o perdão dos nossos pecados (Rm 5.1), que foram punidos na cruz de Cristo (Rm 5.6).

Naquele momento, o pastor ainda pregava a mensagem da cruz, e um raio de intenso amor e misericórdia atingiu meu coração (era tarde, e eu já estava me levantando com o controle remoto na mão para desligar a TV e dormir - bastante feliz pelo que vi) e eu pensei: "Meu Deus, me perdoe por julgar demais as pessoas. Com certeza, na Igreja Universal ainda há pastores que prestam e estão lá para te servir!"

E quando eu terminei a prece e disse "Amém!", o pastor começou a pregar o evangelho da prosperidade outra vez, pedindo que os telespectadores pusessem um copo d'água sobre o aparelho de TV. Então, um raio de sobriedade e indignação atingiu meu coração e passou pelo meu braço. E meu dedo repousou ferozmente sobre o botão "desligar", que pressionei com gosto em direção à TV, dizendo: "Não presta um. Como eu sou burro!".


postado originalmente em: http://www.genizahvirtual.com/2010/06/cronica-de-uma-efemeride-televisiva_06.html


Foto-comentário do ReformaAgora:

Nenhum comentário:

Postar um comentário